Excesso de autocrítica pode prejudicar sua carreira

COMPARTILHE
excesso de autocritica

A autocrítica é uma prática comum, mas que pode facilmente cair no exagero. Enquanto muitos profissionais pecam pela falta, outros erram pelo excesso.

Algumas pessoas, inclusive, não entendem a diferença entre autocrítica e crítica depreciativa.

Geralmente, vemos mais pessoas julgando outras, focando apenas nos defeitos. Mas também existem aquelas que se preocupam demais com cada passo que dão, e acabam criando seus próprios obstáculos.

O problema da autocrítica exagerada

Um profissional que busca desenvolvimento, aprimoramento e quer sempre fazer um bom trabalho, é uma pessoa positiva.

Entretanto, essa mesma pessoa passa a ser negativa a partir do momento que a autocrítica acaba interferindo no andamento de seu trabalho.

Por exemplo, uma pessoa que leva muito tempo para tomar decisões em função do perfeccionismo, pode ser percebida como uma pessoa insegura.

Ou seja, alguém que não corre riscos e que pode atrasar todo o processo de decisão.

Portanto, o excesso de perfeccionismo, muitas vezes resultado da autocrítica exagerada, acaba interferindo negativamente seu trabalho.

Tudo é uma questão de equilíbrio. Por exemplo, você deve ser um profissional que confia em si mesmo, mas sem ser arrogante.

O mais importante é saber separar meros julgamentos de críticas construtivas.

Autocrítica vs auto-depreciação

Se você vive constantemente buscando defeitos e falhas, então você não está usando a autocrítica corretamente.

Existe uma grande diferença entre autocrítica e auto-depreciação. Portanto, o excesso de autocrítica pode levar a distorções negativas de si mesmo.

Se você utiliza corretamente a autocrítica, ela pode se transformar numa ótima ferramenta para o seu sucesso.

Mas se usada incorretamente, pode ter efeitos devastadores na sua autoestima e confiança.

Veja Também: Benefícios do mindfulness para a carreira

Como usar a autocrítica a seu favor?

A autocrítica deve ser sua aliada, e não sua inimiga. Por isso, ao invés de apenas focar nas suas falhas, você deve praticar a autocrítica positiva.

Explore e pratique o autoconhecimento. Entenda suas habilidades, competências, diferenciais e comportamentos.

Você deve compreender o seu potencial como profissional. Por isso, a autocrítica deve caminhar junto com a autovalorização.

Desenvolva o hábito de analisar suas atitudes. Avalie suas ações, pensamentos e reações. Avalie também tudo aquilo que você deixou de fazer.

Assim, você consegue entender melhor seus erros e acertos. Afinal, autocrítica tem a ver com avaliar aquilo que você faz e pensa, aprender com erros, corrigir falhas, provocar mudanças e, com isso, amadurecer.

Todos mundo tem a habilidade de analisar seus atos e as consequências.

O problema é que nem todos utilizam essa habilidade da maneira que deveriam. Entretanto, uma pessoa com autocrítica positiva, consegue usar muito bem essa habilidade e aprender com isso.

Veja Também: Entenda a diferença entre feedback e crítica

Busque o equilíbrio

Há uma diferença entre dizer a si mesmo que você não é bom o suficiente e lembrar a si mesmo que precisa melhorar.

Então, aceite suas falhas pelo que elas são agora, mas se comprometa a melhorar no futuro.

Por exemplo, você pode aceitar a ansiedade para uma apresentação no trabalho. Mas ao mesmo, você pode tomar a decisão de melhorar sua habilidade de falar em público.

Em suma, você deve aceitar quem você é agora, enquanto investe em se tornar uma versão ainda melhor de si.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *